“Cordel Encantado” beira a perfeição e ofusca demais novelas


Quando foi anunciada como a substituta da devagar-devagarinho “Araguaia”, “Cordel Encantado” já chamava a atenção por trazer em sua sinopse uma mistura de dois universos aparentemente distintos, a realeza europeia e o cangaço nordestino.

Das promissoras Thelma Guedes e Duca Rachid (“O Profeta” e “Cama de Gato”), a nova novela das seis da Globo não precisou de muito tempo pra cativar o público, fisgar os desiludidos da faixa e convencer a imprensa. Já no seu terceiro capítulo era possível constatar a qualidade e perfeição da obra.

Poderia soar como uma tentativa de reinventar um “Que Rei Sou Eu?” do século XXI, ou se perder apenas na ousadia da inovação, mas não, “Cordel” tem essência, e principalmente munição de sobra para encantar e fazer rir.

Um conto de fadas arretado, uma fábula europeia, uma aventura em pleno sertão nordestino, um romance modernista com traços clássicos, “Cordel” é tudo isso e mais um pouco. É disparada a grande surpresa da faixa das seis na década.

Um elenco digno de horário das nove, uma direção singular, uma cenografia impecável, uma produção de arte primorosa, uma trilha sonora admirável, “Cordel Encantado” beira a perfeição, e não é exagero.

No quesito interpretação Marcos Caruso, Zezé Polessa, Osmar Prado, Nathalia Dill, Bruno Gagliasso, Domingos Montagner, Matheus Nachtergaele, Heloísa Perissé, Claudia Ohana, Ana Cecília Costa, Carmo Dalla Vecchia e Débora Bloch vêm chamando a atenção, esta última principalmente, pois basta entrar em cena para roubá-la.

Com apenas 12 capítulos exibidos, “Cordel” já é de longe a melhor novela da atualidade, ofuscando e esmagando todas as outras, sem exceção. A trama de Açucena e Jesuíno trouxe algo novo e ao mesmo tempo óbvio, servindo de referência daqui pra frente. Que os novelistas leiam a cartilha e tentem decifrá-la, assim como fez Thelma e Duca.

O público não quer pirotecnia, não quer avião caindo, dinossauros e robôs, tampouco que matem um presidente fictício, que adolescentes rebeldes esfreguem na telinha uma sensualidade promíscua ou que retratem parte de nossa história de forma vazia, o público quer, tenham certeza, uma boa história, e “Cordel Encantado” é uma boa história, sem sombra de dúvidas.

Alguns pregam um amor de revolução orientados por seus insensatos coraçõesmordem e assopramtentando impedir que o tempo corra como as águas de um ribeirão, aderem aos rebeldes como forma de protesto, mas de nada adianta, o povo quer sonhar e se encantar com um bom cordel.

Por: João Paulo Dell’Santo

Um pensamento sobre ““Cordel Encantado” beira a perfeição e ofusca demais novelas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s